Rio Branco-AC -


PALAVRAS DO PÁROCO


     Quão grande é o amor de Deus por cada um de nós seus filhos e filhas. Com essas palavras gostaria de iniciar saudando a todos vocês, meus queridos irmãos e irmãs nesse mês de dezembro de 2017.
     O mês de dezembro é de fato o mês mais sentido por todos nós, para alguns tempo para ganhar mais dinheiro com as vendas de Natal e de fim de Ano, para outros férias, descanso e a oportunidade de rever a família, mas para nós é a oportunidade de celebramos a chegada do Menino Deus na humanidade, presente do grande amor de Deus por nós e a chance de nos tornarmos pessoas melhores e solidárias, pois Deus amou tanto o mundo que da sua imensa solidariedade e generosidade nos deu o seu Filho único.
     A Igreja sentindo-se profundamente agradecida pelo dom e pela graça que recebemos do Bom Deus, não pode ficar calada, mas sente uma profunda obrigação de anunciar e de testemunhar essa Boa Notícia a todos os homens que Jesus é o Senhor e seu amor nos contagiou. Assim, a Igreja no Brasil, todos os anos nesse período do tempo de Advento faz a Campanha para a Evangelização e nesse ano de 2017 tem como tema “Cristãos leigos e leigas comprometidos com a Evangelização”, e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5, 13-14). Essa iniciativa visa avivar os leigos para o compromisso evangelizador.
     A Campanha para a evangelização iniciou no dia 26 de novembro, Dia de Cristo Rei e irá até o dia 17 de dezembro, 3º Domingo do Advento, e estará em sintonia com o Ano Nacional do Laicato, o que reforçará a necessidade da igreja de despertares novos discípulos missionários para a evangelização e para a responsabilidade da sustentação das atividades pastorais na igreja do Brasil. O Outro objetivo da Campanha é favorecer a vivência do tempo litúrgico do Advento e mobilizar os católicos do Brasil para uma Coleta Nacional que ofereça recursos a serem aplicados na sustentação do trabalho missionário no Brasil.
     “Sal da Terra e luz do mundo” (Mateus 5,13-14), assim Jesus definiu a missão que aos seus discípulos missionários confiou. As imagens do sal e da luz são particularmente significativas se aplicadas aos cristãos leigos. Nem o sal, nem a luz, nem a Igreja e nenhum cristão vivem para si mesmos. No caso dos cristãos, somente surtirão o efeito da Boa Nova, se estiverem ligados a Jesus Cristo.
     O grande campo de ação dos cristãos é o mundo. Por isso o Concílio Vaticano II afirma que a Igreja está dentro do mundo, não fora. Na relação com o mundo a Igreja se vê pequena: pequeno rebanho, sal na comida, fermento na massa, semente lançada na terra.
     Os leigos que atuam nas nossas comunidades são casais cristãos que crescem na santidade familiar. Todas as crianças, frutos destes casais, que, participando ou não da catequese, também atuam na Infância Missionária e do serviço dos Coroinhas. Elas são germe de um laicato maduro.
     As mulheres contribuem de forma indispensável na sociedade e nas responsabilidades pastorais. Todavia, a Igreja reconhece que ainda é preciso ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva na Igreja. Mais uma vez reafirmamos a opção preferencial pelos jovens e os idosos que têm merecido atenção do Papa Francisco e dos recentes Sínodos da Família.
     Um número significativo de cristãos leigos vive como solteiros. Ser solteiro pode ser também uma opção de vida e um sinal de que a felicidade não está só no casamento ou na vocação religiosa e sacerdotal. Aos viúvos e viúvas recordamos que desde o Antigo Testamento Deus se colocou ao seu lado.
     Lembramos com alegria dos cristãos leigos que são ministros da coordenação ou articulação paroquial e líderes nas dioceses e movimentos. Liderar é um ato de amor à Igreja. Enfim, entre tantos outros, há os que atuam nas pastorais e movimentos sociais, ONGs, partidos políticos, sindicatos, Conselhos de Políticas Públicas, como homens e mulheres da Igreja no coração do mundo.
     Portanto queridos irmãos e irmãs a igreja quer recordar e insistir que o primeiro campo e âmbito da missão do cristão é o mundo. A vocação específica dos leigos é estar no meio do mundo, à frente de tarefas variadas. Os cristãos leigos levam o Evangelho, a Boa Nova trazida por Jesus, para dentro das estruturas do mundo, onde homens e mulheres vivem, agindo em toda parte santamente e consagram a Deus o próprio mundo.
     Concluo estas palavras, agradecendo a todos vocês meus queridos irmãos e queridas irmãs, pelas conquistas que juntos alcançamos dentro da nossa paróquia e pelos desafios que ainda temos que vencer, para nos tornarmos uma igreja em saída que anuncia e acolhe tantos irmãos e irmãs. A todos um Feliz e Santo Natal e um Feliz Ano Novo, Deus vos abençoe.

Frei Antônio Eugenio Chemim